"Se pensas que és pequeno para fazer a diferença... tenta dormir num quarto fechado com um mosquito."
Provérbio africano, no editorial da revista "Recicla"

29.12.05

2005: ODISSEIA NO PLANETA TERRA

Não sei se não será um pouco cedo para falar sobre 2005. Afinal ainda faltam uns dias para o final do ano e muito pode acontecer... O tempo infelizmente já não é o mesmo, nem em quantidade nem em qualidade, e os acontecimentos sucedem-se a uma velocidade vertiginosa! Mas, como não me vou lembrar, por certo, de tudo o que foi relevante e sei que muitos me podem ajudar a completar um rol tão grande de acontecimentos, arrisco-me a deixar-vos estas recordações...
A nível pessoal, foi um ano de mudanças: o inicio de um novo trabalho para a área que sempre quis; apartamento novo, apesar de só poder ser alugado porque as finanças ainda não dão para maiores riscos; a união de facto (acho o máximo esta expressão!!) passados tantos anos que já podia estar divorciada, segundo a média do país, aí umas 3 vezes; compra de carro usado, mas meu e por isso é novo; uma data de "sobrinhos" (leia-se filhos de verdadeiros amigos) novos e por isso, muita canalha nova com quem ocuparmos o tempo livre e variarmos o quotidiano tão rotineiro... Bem, parece-me que a este nível, visto assim, nem estou mal!!! Quero dizer, até que o ano me correu bem!
A nível nacional, num resumo que vou tentar curto (!), porque afinal até estava animada com o meu ano: crise social, crise económica, crise politica (dizem que se prevê melhorias! Fico à espera!)...CRISE!
Depois, temos a justiça: alguém repare que lhe tiraram a venda, que deixou de ser cega, que passou a olhar para o status, para o poder económico, para a influência, passou a ser corrupta e que para piorar continua lenta e desesperante! E os processos, lá se vão desenrolando, devagarinho, até que se esqueçam deles!!!
A educação! Ah! A educação...está tão perdida, tão desorientada, em auto-gestão ou será que gerida por tantos que ninguém se entende??!!?? E, depois vem acompanhada por um choque tecnológico. Ah! Pois é! As escolas do futuro! Esqueceram-se foi das linhas, das bases, dos conhecimentos, quem lá vão pôr a orientar toda essa gente que nem ligar um computador sabe? O que vale é que os nossos alunos ainda podem ensinar alguma coisa! Estamos safos! A era digital e o inglês! Com tudo isto, para que precisamos do português? E da filosofia? Para quê? Os nossos alunos não precisam de aprender a pensar nem a desenvolver espirito critico...e muito menos na nossa língua!! Linguagem binária e inglês bastam! (leia-se este parágrafo em sentido irónico)
A cultura...essa bela palavra... acabaram-se companhias de uma riqueza histórica e de uma importância vital para esta área, fecham-se teatros, cinemas, auditórios, acabam-se com programações de renome internacional, mas... "não se podia fazer nada!", dizem alguns! "Temos que olhar para nós, não para o que os outros pensam de nós!", dizem outros... Haja dinheiro para coisas que precisamos, como mais um aeroporto, para o TGV. Porque afinal o nosso povo tem bastante dinheiro para pagar uma viagem de alta velocidade! E vamos criar mais outras centenas de postos de trabalho! Esquecem-se talvez de todos os outros que se vão perder... Poupem-me!
O emprego, o desemprego, os subsidios...já nem vale a pena comentar. Já perdi a noção da percentagem ou do aumento, sei que são mais do que muitos...
A pobreza, a droga, os assaltos, os crimes de grande dimensão, as prisões a abarrotar (e os que deviam ser presos cá fora)! Um ciclo vicioso que tende a aumentar em quantidade e em grau de perigosidade... Crianças que continuam a ser maltratadas, velhas roubadas e violadas, velhos violentados ou mortos por causa de um metro de terreno, filhos que matam pais, pais que vendem filhos...Para onde caminhamos?
A saúde. Essa está tão doente e não há vacina que a cure!!!
Foi também o ano dos incêndios, da seca...e mais uma vez como em todos os outros anteriores, o da falta de meios e de apoios, mas, ou não fossemos nós portugueses, prevenir, formar e dar meios para quê? Tudo se há-de resolver, dizem-nos!!!
Eu não sei o que houve de bom neste país este ano...desculpem-me mas não me ocorre nada que possa fazer-me esquecer que estamos de mal a pior!
E,como boa portuguesa que sou, fiz uma promessa e esta já se foi: o resumo curto tornou-se num mar de mágoa e de frustração perante um país de cromos e vigaristas em que mesmo que queiramos melhorar algo, levamos com portas na cara, porque o dinheiro e o poder, falarão sempre mais alto!
A nível internacional, a palavra com letras maiusculas muda de crise, para HIPOCRISIA: uma América que se julga dona do mundo, com ética diferente tratando-se de países estrangeiros, que faz, que pode, que manda e que não é punida. Uma Europa que cada vez menos está unida, em que se acolhe novos países, mas onde continuam a mandar e a ditar os mais fortes. Onde quem decide não sabe o que decide, onde os mais pequenos perdem o poder de usar os poucos recursos que têm, só porque há outros países que querem produzir ou exportar aquele produto, onde a união só se faz quando se apertam mãos perante camaras de TV...
O mundo está de pernas para o ar... Mata-se e constroiem-se guerras mais facilmente do que se beija e ama! Suicidam-se para....para...para quê mesmo? Alguém me sabe por que é que alguém põe uma bomba no corpo e a detona mais facilmente do que carrega o filho nos braços?
E depois, deixando o âmbito humano (se é que esta palavra ainda pode ser usada nesta raça animal que nós somos!), e passamos para a natureza que parece acompanhar a nossa loucura ou então tentar libertar-se dela: tsunamis, terramotos, erupções vulcânicas, tempestades tropicais, furacões... O planeta Terra bem tenta libertar-se de nós, extinguir-nos, mas não consegue!
Desculpem-me. Talvez devesse ver a vida por lados mais positivos e não vos queria pôr deprimidos, mas se olharem à volta este ano foi um ano terrível, um ano em que cada acção de cada pessoa, governo, país ou continente quase provocou ou chegou mesmo a provocar uma explosão de minas, deixando-nos a todos menos inteiros, menos humanos, mais deficientes...
O ano 2005 foi até certo ponto macabro. Salva está a minha sanidade porque o meu mundinho, pequenino, tão indiferente para os grandes e poderosos do mundo teve um dos seus momentos altos! E, pensando bem, até a natureza me poupou, por isso...até estou feliz!
Os meus desejos para o próximo ano é que por esta altura, voltemos todos a sonhar com coisas mais fúteis e não com a cura desta psicose que o mundo está a atravessar!
Um ano cheio de alegrias e paz.
Patrícia Geraldes

5 comentários:

Anónimo disse...

Dois textos completamente antagónicos...

Minha amiga se quer um conselho...emigre....apanhe o primeiro táxi para o planeta mais próximo...já que aqui é tudo tão mau...tudo tão negro...

Já se olhou ao espelho ? Já refletiu que talvez o problema deste nosso cantinho resida neste tipo de opiniões "negras"...neste tipo de derrotismo ridiculo...neste tipo de tacanhez intelectual...

Vá dar uma volta...e pense que talvez nem tudo seja tão mau...

cps

Trancoso

Patrícia Geraldes disse...

Meu amigo, talvez tenha razão...mas é com comentários como o seu que este mundo vai ficando cada vez pior!!! Pior ainda é que nem sequer tem coragem de se identificar! Ficou-lhe muito bem, acredite!!!
Talvez emigre...um dia...ou pague o bilhete a gente como o senhor para desaparecer deste mundo e deixá-lo menos poluído.
Cumprimentos,
Patrícia Geraldes

Anónimo disse...

Cara amiga

A sua resposta vem na sequencia da lengalenga psicotica que escreveu antes...

Após a sua resposta ...já não a aconselho a emigrar...mas sim a consultar um médico !!

Mas...se ainda assim resolver emigrar...diga-nos qual o fantástico país onde não existem problemas...para podermos ir também e deixar este buraquinho à beira mar plantado.

Além disso deixe-se de cinismos e hipocrisias...se tudo é mau neste país...como é q pode ter tido um ano feliz? como é possivel ser indiferente à negritude que a rodeia ?

Como é possivel que alguem viva feliz se como diz vivemos num país de cromos e vigaristas ?

Em jeito de comentário...

Nunca me arrependi do que fiz mas sim do que não fiz!

Recordo-lhe também o objectivo deste blog medieval...TRANCOSO e REGIAO DA BEIRA...

cps

Trancoso

Mago disse...

Não é comum opinar ou intrometer-me nas mensagens escritas pelos visitantes no blog ou no livro de visitas no entanto decidi escrever agora no intuito de apelar à tolerância. Como a Nota agora em rodapé e antes abaixo do titulo do blog informa este espaço não é somente um espaço dedicado a Trancoso ou à região da Beira mas sim a crónicas e opiniões e outros temas, como tal o texto de Patricia Geraldes insere-se dentro da politica de artigos pretendidos, no entanto não se pode agradar a Gregos e Troianos uns gostam outros não, ninguem é obrigado a gostar mas no entanto fica bem um sentido menos violento na critica, afinal temos de ser democraticos, apelo tambem ao senhor " cps " que se quiser participar e escrever algo que ache que vai mais ao encontro dos leitores deste espaço, a enviar-me um mail para nusantos@gmail.com,
Agradeço desde já a atenção dispensada no meu blog em especial pela participação de Patricia geraldes.

Cumprimentos,

Nuno - www.trancoso.pt.vu

Patrícia Geraldes disse...

Bem como em tudo o que faço na vida (daí que nunca me arrependo do que faço!), não gosto de entrar neste tipo de intrigas e mesquinhices para não me tornar numa pessoa com essas características. Portanto, depois de tudo isto e, principalmente, por respeito ao Nuno e ao fantástico trabalho que tem tido, não vou aqui entrar em discussões sem sentido e provocadas apenas para lançar a confusão.
Assim sendo, só tenho a desejar ao senhor ou senhora cps um bom ano com menos rancores e mais participações activas e relevantes.
Cumprimentos,
Patrícia Geraldes