"Se pensas que és pequeno para fazer a diferença... tenta dormir num quarto fechado com um mosquito."
Provérbio africano, no editorial da revista "Recicla"

2.8.07

"O iberismo pode ser uma opção interessante"

Portugal teria vantagem numa união Ibérica, como a preconizada por José Saramago?

Uma Ibéria traria mais vantagens para nós, que temos 10,5 milhões de habitantes. Mas as nossas oportunidades não valem só isso. Na aldeia global em que a cultura americana e o inglês se sobrepõem, o iberismo pode ser uma opção interessante. Teríamos vantagens em mercados como a China ou a América Latina.

Seríamos assimilados pelas autonomias regionais?

As muitas "Espanhas" que existem não estão assim tão distantes. Basta ver a Avenida da Liberdade, em Lisboa, quase toda na posse de espanhóis, ou o sector bancário. Muitos interesses específicos na nossa economia já estão na posse dos espanhóis. Mas nós também somos grandes consumidores de produtos espanhóis.

Como autarca de uma localidade de fronteira não receia que se perca a nossa identidade cultural?

Não, antes teria tendência a reforçar-se. As relações sociais entre os dois povos estão sedimentadas. Com Castilla y León temos mais afinidades do que eles com galegos ou catalães. Isso vê-se quando há um jogo entre uma equipa portuguesa e o Barcelona. Castilla está pelos portugueses. Nós somos mais atlânticos e mundiais, eles têm dificuldade em relacionar-se com outros povos. Mesmo aprender línguas é mais difícil para eles do que para nós.

A desertificação na raia não dá grande vantagem...

Lá não há cidades pequenas. É pior. Eles desenvolveram cidades médias, mas à volta o despovoamento é grande. Nós não queremos esse modelo, mas temos de criar condições para fixar população. Vamos criar um ninho de empresas, que permita a fixação de profissionais liberais. Ao contrário do que sucedia na minha geração, hoje os nossos jovens, que já conhecem o litoral, querem ficar aqui se tiverem condições de sustentabilidade.

Costuma ir a Espanha fazer compras?

Costumo ir a Espanha, mas não para fazer compras. Não é nenhuma espécie de nacionalismo, mas entendo que o IVA espanhol distorce a nossa competitividade. Em Lisboa, estes 5% de diferença no IVA não fazem muita diferença, mas aqui fazem. Em produtos como o gás, o tabaco e os produtos petrolíferos a diferença é grande e é entendível que as populações de fronteira procurem a optimização e comprem lá produtos em quantidade.

É um defensor dessa união ibérica?

Não diria tanto. Espanha é um Reino, que precisa de ter as autonomias sob a mesma Coroa Real. Nós somos uma República. Mas defendo um reforço da visão estratégica comum. Tenho 42 anos e não acredito que, na minha vida, veja uma união ibérica, mas estou convencido de que será acentuada a partilha de decisão. Trabalhando menos, eles têm mais produtividade que nós, maiores rendimentos e são dos povos com melhor qualidade de vida.

E isso deve-se a quê?

À descentralização administrativa. Os povos que a fizeram são economias de sucesso. Eles não precisam de ter um documento aprovado por três ou quatro entidades diferentes. Lá as autonomias resolvem os assuntos.

in Diário de Notícias

3 comentários:

al cardoso disse...

Como patriota que me prezo de ser, nunca concordaria com uma uniao iberica e vejo nos iberistas traidores nacionais.
Nem como monarquico podia concordar, pois se alguma vez pode-se ser restaurada a monarquia, teria de ser debaixo da Casa de Braganca, que restaurou a nossa independencia.
No entanto concordo com todas as iniciativas e acordos conjuntos, para a resolucao dos problemas regionais, sendo um dos principais a "desertificacao"!

Um abraco d'Algodres.

Maria disse...

O facto dos espanhóis terem mais produtividade que nós não se deve apenas à descentralização administrativa. Deve-se, sim, ao facto da diferença entre os empresários espanhóis e os portugueses.
Os empresários portugueses fazem uma gestão danosa até das suas próprias empresas.... e sabes do que falo.
Não preciso de dizer que numa família de 4 membros, cada um tem o seu carro e estão os 4 carros em nome da empresa, (onde só o pai vai, e às vezes...) que suporta todos os custos, gasolina, seguros, tudo. Quem pode sobreviver assim? Depois é a produtividade e os trabalhadores que são os maus da fita...
E isto é para não falar de mais nada......

Fabio Paulos disse...

Nao me agradaria muito ser espanhol. apesar de espanha ser mais produtiva sou da opinião da maria. portugal precisa de mudar. vai ter k paxar por uma mudança mt forte p nos tornar mos mais produtivos.