"Se pensas que és pequeno para fazer a diferença... tenta dormir num quarto fechado com um mosquito."
Provérbio africano, no editorial da revista "Recicla"

20.5.06

O Espirito da Descoberta

Terminou hoje o 1º Evento da Fundação para as Artes, Ciências e Tecnologias – Observatório – “O Espírito da Descoberta”, que teve lugar na cidade de Trancoso. Contou com a presença de personalidades das mais variadas disciplinas e de diferentes países, tais como: EUA, Hungria, Itália, Holanda, Polónia, Inglaterra, Suíça, Portugal e Brasil.

Entre estes os oradores, estiveram René Berger, Joseph Brenner, Gonçalo Furtado, Alex Adriaaseen, Roy Ascott, Marcos Novak, Gyorgy Darvas, Giorgio Alberti e António Cerveira Pinto

Para além das conferências, tiveram ainda lugar três exposições de importância internacional: Dove Bradshaw de Nova Iorque, cujos trabalhos integram os acervos de Metropolitan Museum MOMA Whitney entre outros; Monika Weiss, nascida na Polónia, celebre artista, actualmente professora na Universidade de Washington; Francesco Mariotti, Suíço, cujos trabalhos têm estado presentes em eventos como bienal de Veneza, Documenta de Kassel, Bienal de São Paulo entre outros, há mais de 40 anos...


Nessa ocasião foi ainda apresentado o projecto de arquitectura do Museu do Design do Tempo, da autoria do Arqº Emanuel Dimas de Melo Pimenta
A planteia foi preenchida por artistas, filósofos e cientistas.

Estas iniciativas surgem na continuidade da constituição da Fundação para as Artes, Ciências e Tecnologias – Observatório, em Dezembro 2005, entre a Câmara Municipal de Trancoso e o Arqº Emanuel Dimas Melo Pimenta. O objectivo desta fundação é o de tornar Trancoso num centro planetário para a reflexão sobre artes, descobertas cientificas e filosofia.





(Arqº Emanuel Pimenta com as equipas de comunicação da DUVIDEO)








4 comentários:

Sofia Filo disse...

Trancoso tem realmente que mudar a sua orientacao geografica.Em vez de procurar respostas a sul, deve procurar o norte e talvez ai, na Europa encontre o seu espaco de desenvolvimento.

Anónimo disse...

alguém sabe o que os senhores cá vinham fazer. Ninguem entendeu. Mais dinheiro gasto. Ó Dr. Sarmento, nós não precisamos de mais um Museu do relógio, nem de eventos deste, mas uma piscina melhor, de uma casa da juventude e livros novos na biblioteca. Já agora quando é que põe a funcionar a fonoteca?

Frederico disse...

Cara Sofia Filo,
Concordo consigo.
Mas devo esclarecê-la que isso não é válido apenas para Trancoso mas para todas as regiões europeias.
A economia é cada vez mais global, e quem a observar numa perspectiva de mercado regional ou nacional está a condicionar-se de forma fatal.
No entanto, e pelos motivos que imagina, é complicado fazer compreender localmente que o objectivo destas iniciativas é a angariação de turismo de reflexão para teóricos e filósofos...

Um abraço

Anónimo disse...

Sr. Frederico

até eu cheguei a acreditar que esses eventos da câamra eram bons, mas sinceramente acha que algum dos participantes voltará a trancoso, depois de tudo. Eu não acredito.

Um abraço