"Se pensas que és pequeno para fazer a diferença... tenta dormir num quarto fechado com um mosquito."
Provérbio africano, no editorial da revista "Recicla"

10.5.07

Pedidas medidas para travar a desertificação e fixar as populações

A União dos Sindicatos da Guarda (USG) está a promover um abaixo-assinado onde exige medidas ao Governo que visem “travar e inverter a desertificação” fixando as populações no Distrito.
O documento que começou a circular no dia 1 de Maio, Dia do Trabalhador, reclama “a adopção de um Programa Integrado de Desenvolvimento para o Distrito da Guarda e a manutenção dos diversos serviços públicos existentes”, como referiu ao Jornal A Guarda o dirigente da USG.
Segundo Honorato Robalo, no documento é defendido “o reforço do investimento público no sector produtivo como a medida mais importante e adequada para criar emprego e fixar as populações do interior”. “O Governo, através dos inúmeros instrumentos financeiros, legislativos, fiscais e outros, pode e deve aplicar no Distrito da Guarda um conjunto de medidas, articuladas entre si, por forma a promover o desenvolvimento sustentado invertendo a tendência de desertificação que se vem acentuando nos últimos anos”, defende o sindicalista.
O mesmo dirigente aponta que o Governo tem vindo a desenvolver “profundas alterações nas funções sociais do Estado que atingem sobretudo as regiões do interior”, criando “condições para desresponsabilizar o Poder Central da função prestadora de serviços essenciais, principalmente em áreas fundamentais como a saúde e educação”.
“Defendemos como princípio a salvaguarda de um Serviço Nacional de Saúde como prestador de cuidados de saúde de excelência junto das populações, onde o utente deverá ser o elemento e o objecto central a satisfazer face às necessidades e cuidados inerentes ao ser humano. As opções do Governo e a aplicação do Orçamento de Estado devem privilegiar a escola pública com mais investimentos cabendo aos privados o exercício da função do ensino na área das suas opções e responsabilidades comerciais”, lê-se no documento.
“Até ao dia 30 de Maio esperamos recolher entre sete a dez mil assinaturas em todo o Distrito da Guarda, pedindo a colaboração de sindicatos, comissões de utentes, juntas de freguesia e de outras organizações”, disse Honorato Robalo.
Após a recolha das assinaturas, o documento será enviado ao Presidente da República, presidente da Assembleia da República, ao primeiro-ministro e aos grupos parlamentares da Assembleia da República.

in A Guarda

1 comentário:

al cardoso disse...

Seram de louvar iniciativas deste genero, mas creio que o (des)governo esta de ouvidos moucos e nao sabe ler estas peticoes!

O que esta a dar e retirar valencias e servicos.

Nos infelizmente temos poucos votos, por isso pouco ou nada nos ligam.