"Se pensas que és pequeno para fazer a diferença... tenta dormir num quarto fechado com um mosquito."
Provérbio africano, no editorial da revista "Recicla"

12.3.07

Empresários da noite sob suspeita

Segundo fonte ligada à investigação, foram fiscalizados mais de duas dezenas de estabelecimentos de diversão nocturna, vulgarmente conhecidos como casas de alterne, nomeadamente em Soure, Tentúgal, Pombal (três), Santa Comba Dão, Pedrógão Grande, Viseu, Guarda, Aveiro, Leiria e Castelo Branco, numa operação que se prolongou ao longo de mais de 24 horas e terminou na madrugada de ontem. Dois desses estabelecimentos, localizados no concelho de Trancoso (Guarda), foram encerrados e selados, de acordo com a PJ, e quatro indivíduos constituídos arguidos, um dos quais detido, por suspeita dos crimes de auxílio à imigração ilegal e lenocínio.

texto completo no Diário de Leiria

6 comentários:

al cardoso disse...

Pelo que sei, ha tempos tambem foi investigado um estabelecimento desses no meu concelho, o que nunca cheguei a saber foram os resultados, mas creio que foram semelhantes.
E um tipo de actividade que era bem escusada na nossa "Beira Medieval".

Uma boa semana e saudacoes d'Algodres.

Frederico disse...

Este acontecimento revela dois factores:
a) a falta de escrupulos dos "empresários da noite"
b) O estado social das populações locais



Um abraço

Vasco Simões disse...

Oiz!
Frederico:
Que 99,99 % dos empresários da noite (deste "segmento de mercado", convém sublinhar) não têm escrupulos isso já é do conhecimento geral, mas não particularizes para o estado das populações locais. Se vieres cá abaixo, nomeadamente no centro de Lisboa, encontras destes estabelecimentos a pontapé! Aliás, um turista que chegue ao aeroporto de Lisboa fica logo bem impressionado com o clássico "avião"!!! E isto para nem falar de sociedades bem mais desenvolvidas que a portuguesa: no Red Light District de Amesterdão, por exemplo, o "produto" está à vista de todos e o "consumidor" escolhe consoante o seu requintado gosto!
A prostituição é, infelizmente, um mal necessário enquanto houverem clientes.
Não é com protestos estilo "Mães de Bragança" que as coisas se resolvem. Se os Maridos vão lá é porque querem. E esta mentalidade existe em todo o lado: sociedades mais e menos desenvolvidas.
E já que é um "mercado" que não parece dar sinais de abrandamento, ao menos que se tomem medidas para evitar abusos e exploração do elo mais fraco neste jogo sujo: a "prestadora de serviços".
Haviam de se fazer mais rusgas deste tipo para acabar com esses abusos. As autoridades competentes sabem onde são essas casas...

1 Abraço a todos!
VS

Frederico disse...

Viva Vasco,
Amsterdão é um caso atípico, uma vez que a prostituição é a sua bandeira turística.

As relações humanas mudaram muito nas últimas décadas, e teoricamente o recurso à prostituição deveria ter reduzido face ao capacidade de comunicação entre o casal. Apenas isso.

Um abraço

Vasco Simões disse...

Oiz!
pois é Frederico... mas às vezes a lógica não funciona! Amesterdão pode ser um caso atípico, mas não creio que o recurso à prostituição tenha diminuido. Por exemplo, Lembras-te do ultimo Mundial de futebol e da quantidade de prostitutas que chegaram a Berlim? Logicamente que as coisas deviam ter mudado um pouco, mas também não nos podemos esquecer de outro tipo de mudanças, onde valores como a fidelidade, lealdade, compreensão e família começaram a perder algum fulgor. Basta verificar a evolução do Nº de divórcios e do Nº de casamentos... O primeiro está em ascensão e o segundo em queda, quase que posso jurar!
É um tema que dá que pensar... Se por um lado há evolução de mentalidades (principalmente do homem) abrindo caminho ao diálogo, por outro há uma cada vez maior proeminência no "eu", no estilo de vida "sem compromisso" e no prazer puramente carnal.
Dá que pensar!
1 Grande Abraço!
VS

Frederico disse...

Vasco
Sim é verdade. Mas pelos casos que conhecemos através da imprensa, futebol e prostituição andam de mãos dadas não só em Berlim.


:-)