"Se pensas que és pequeno para fazer a diferença... tenta dormir num quarto fechado com um mosquito."
Provérbio africano, no editorial da revista "Recicla"

3.1.07

Autarcas do Distrito fazem balanço de 2006

a recta final do ano de 2006 vamos saber como correu o ano de 2006 para as Município do Distrito da Guarda.

António Ruas Presidente da Autarquia de Pinhel considera que este ano fica marcado pelo esvaziamento de serviços no distrito, nomeadamente no concelho de Pinhel.

Para o concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, o ano de 2006 acabou por ser um ano razoável. António Edmundo sublinha que a Autarquia acabou por conseguir uma execução orçamental acima dos 70%.
António Edmundo garante que se tivesse havido por parte do Governo algum incentivo financeiro e alguma compensação pela deslocalização que a competição fiscal provoca, teria sido um grande ano para o Interior.

Fernando Andrade presidente do Município de Aguiar da Beira considera que com todas as dificuldades financeiras que a Autarquia enfrentou este ano conseguiu dar andamento às obras que estavam programadas.
Sem apoio financeiro por parte do poder central, Fernando Andrade congratula-se pelo facto de o Município ter conseguido dar andamento às obras do novo Campo de Futebol da Barragem da Fumadinha, daí considerar que o ano de 2006 foi positivo para o concelho.

Da mesma opinião é o Autarca de Vila Nova de Foz Côa. Emílio Mesquita faz um balanço positivo do ano que termina, nomeadamente no que se refere à Educação e à Cultura.

No ano em que se assinalaram os 30 anos do poder local, Álvaro Amaro, Presidente do Município de Gouveia lamenta que vá ficar marcado pela nova Lei das Finanças Locais penalizadora para os Municípios.
Álvaro Amaro considera que 2006 foi um ano apenas de expectativas e faz por isso um balanço muito negativo.
De uma maneira geral Álvaro Amaro considera que foi um ano de sacrifícios e sem boas recordações.

Boas recordações também não deixa para José Manuel Biscaia. O presidente do Município de Manteigas considera que o ano de 2006 foi o reflexo de 2005, uma vez que em 2005 o concelho foi assolado por uma onde de desemprego devido ao encerramento de uma das fábricas da Vila.
Manuel Biscaia garante que o ano de 2006 não correspondeu às expectativas, no entanto, o Autarca destaques aspectos positivos, nomeadamente a criação do Cartão do Idoso, o apoio a empresários que se queiram fixar em Manteigas e a criação de Bolsas de Estudo.

O desemprego, o encerramento de vários serviços no distrito, a falta de apoio financeiro por parte do poder central e a nova Lei das Finanças Locais marcam o ano de 2006.
in o Interior, Fernanda Martins

1 comentário:

al cardoso disse...

Tambem eu estou convicto que para alem de rectorica em que este "governo" e rico, no que toca a nossa Beira nao consigo encontrar uma atitude ou medida positiva para fazer avancar o interior, muito pelo contrario, infelizmente!!!

Um abraco fornense, fazendo votos que este ano, seja de progresso tanto para os trancosenses como para todos os beiroes em geral