"Se pensas que és pequeno para fazer a diferença... tenta dormir num quarto fechado com um mosquito."
Provérbio africano, no editorial da revista "Recicla"

1.6.06

Telecentros e espaços internet



Encontrei no Blogue Os Corredores do Poder este texto que gostaria de adicionar à nossa discussão.

"A maioria dos concelhos portugueses já têm espaços internet.
Mas creio que nenhum terá um telecentro.
Sendo um telecentro, um local de acesso à internet para teletrabalhadores, onde estes estão on-line com as organizações para quem trabalham, julgo que seria de todo o interesse os municipios do interior desenvolverem este tipo de infraestruturas para a promoção do emprego na sua região."

Muitos dos nossos visitantes lembrar-se-ão dos espaços PLANET que existiram em Lisboa. Eram lojas que dispunham de bons equipamentos informáticos, onde as pessoas se deslocavam para fazer trabalhos, impressões ou fotocópias.

Estes espaços eram privados e em locais centrais. Os custos fixos com pessoal e rendas comerciais inviabilizaram o sucesso económico deste projecto.

Julgo que seria interessante reflectir na possibilidade da criação destes espaços no interior do país, com capital público.

Seriam centros de trabalho partilhados, que os trabalhadores acederiam para estar on-line com os seus empregadores/clientes.

Isto permitiria trabalhar nos grandes centros urbanos (Lisboa, Porto, Madrid, Londres etc.) a partir da Beira Interior!

"Duvidas sugestões e insultos!" para Frederico Lucas

10 comentários:

Nathalie Monteiro disse...

O problema é fazer aceitar essas mudanças as empresas.
O teletrabalho é commun nos pais anglofones. Mas, em outros paises (por exemplo em França onde trabalho) , muitas empresas que têm as
infraestruturas para o teletrabalho (acesso distante por exemplo) não o permite porque pensam que
uma pessoa em casa não é tão produtiva e que pode criar problemas de communicação.

Esses centros podem ajudar em dar confiança nos teletrabalhadores porque, ali, eles não ficam em casa.

PS: Parabens por esse blog. Assim mesmo em Paris tenho noticias sobre Trancoso.

Frederico disse...

:-)

Cara Nathalie,
Agradeço-lhe imenso as suas palavras.

Já tinha ouvido falar em Telecentros? Que opinião tem do teletrabalho? Quanto tempoo gasta diariamente em transportes?


Um abraço

Nathalie Monteiro disse...

Olà Frederico,

Jà tive occasiões de trabalhar em modo "teletrabalho" no passado. é claro que é facil se a pessoa tem todo o equipamento em casa, que a empresa dà accesso ao network da empresa via um VPN por exemplo e que a pessoa tambem tem acesso a Internet.
é preciso motivaçao porque as distracoes em casa sao grandes! E nas empresas onde trabalhei e que praticavam o teletrabalho era: 2 ou 3 dias em casa e o resto na empresa (para reunioes , o team spirit).

Jà ouvi falar em telecentros. Mas nunca vi. é verdade com a tecnologia de hoje pode-se fazer muitas coisas : conf call, net meetings etc. Tudo isto tem um custo e um telecentro pose aliviar estes custos entre a empresa que usa os servicios do telecentro e o telecentro.

Na minha situação pessoal, um telecentro não teria interesso: trabalho na informatica, tenho computador em casa (tenho mesmo um emprestado pelo "patrão"), tenho accesso à Internet e à ADSL, tenho webcam. Mas levo 1 hora par ir ao trabalho e dias de greve de transportes gostaria trabalhar em casa. Nao trabalho em teletrabalho porque nao é na politica da empresa (trabalho para um banco que não gosta ver os seus dados financeiros em potential risco de falhas de seguridade!!).

(imensa desculpa com o meu português ...tenho tido pouca pratica estes anos)

Frederico disse...

Agradeço imenso a sua participação.

O seu português está óptimo. Os portugueses dão maioritariamente mais erros que a Nathalie!

Apesar da segurança das VPN's, compreendo a preocupação dos bancos. Porque eventuais fugas de informação fazem-nos incorrer em ilegalidades face à obrigação do sigilo bancário. Para além dos riscos de intrusão.

Agradeço novamente a sua participação.

Um abraço

Woman Once a Bird disse...

Não conhecia de todo o conceito, e parece-me muito interessante. quanto à criação destes espaços no interior do País... Plenamente de acordo. Mas não me parece que o desenvolvimento do inteiror do Páís seja uma prioridade deste executivo.

Frederico disse...

Por isso temos que cumprir com a nossa função: Exigir a redução das assimetrias sobre as mais diferentes formas.

Sobre Telecentros, não saberia a WOB nem ninguém. É uma ideia do Jack Nilles que decidi divulgar...

:-)

Obrigado pela visita à Beira Medieval!

Frederico disse...

Quando respondia à WOB de que ninguém conhecia o conceito dos Telecentros, cometi uma generalização que importa esclarecer:
Os Telecentros são uma ideia do Jack Nilles, principal mentor do conceito do Teletrabalho.
O que eu quis dizer é que este conceito não foi debatido em Portugal devido a um conjunto alargado de motivos que se predem com a problemática da confidencialidade profissional. Ao partilharem um espaço comum, existem riscos de fuga de informação das empresas, que na minha óptica têm que ser prevenidos através de um contrato que cada teletrabalhador assina com o TELECENTRO (para além do contrato com o empregador), onde se compromete à total confidencialidade de toda a informação que possa vir a ter acesso sobre os trabalhos em desenvolvimento dos seus colegas do telecentro.

That's all!

Nathalie Monteiro disse...

Bom Dia,

Li com interesse o artigo do Jack Nilles.
Infelizmente, a iniciativa francesa (CATRAL), foi abandonnada com as eleição da região de Paris.
Mais um exemplo da difficultade para um pais latim de aceitar as mudanças na maneira de trabalhar!

Questão para as pessoas que vivem em Portugal: é que no interior o accesso a Internet é facil (barrata e individual)?

Frederico disse...

É o melhor que o país tem!

4 Mb/seg em 98% do território: 35 euros mensais.

Num momento é que a Europa tem que repensar os custos com o trabalho, as diversas alternativas de teletrabalho não podem ser afastadas de qualquer projecto. Fundamentalmente por causa dos custos com combustiveis, que desiquilibram qualquer balança comercial dos países não produtores...

Anónimo disse...

Isto pareceme o socrates com a revolução tecnologica. como e que se admite termos que comprar o selo do carro via internet? quantas pessoas, com carro, tem internet em casa? como é? andamos todos a fingir que somos um pais desenvolvido?